Posts Tagged ‘havana’

Compañero Diário – As Praias

junho 25, 2007

Bla bla bla bla bla bla bla bla bla bla bla bla bla bla bla bla bla bla bla bla bla socialismo bla bla bla bla bla bla bla povo cubano bla bla bla bla bla Habana Vieja bla bla bla bla bla bla bla bla bla bla bla bla bla bla bla arquitetura bla bla bla bla bla bla bla bla bla bla música bla bla bla bla bla bla bla bla bla bla bla bla …

Quer saber a pura verdade?  Eu fui pra Cuba por causa das praias!  Eu adoooooro praia, mar transparente e sol inclemente, e digo que não me decepcionei nem um pouquinho.  Minhas expectativas foram superadas.  Fiquei muito impressionada com a cor da água na ilha.  Bom, não vou ficar aqui conversando fiado, vou é mostrar as fotos que falam por si, e fazer pequenos comentários para não “distrair a vista”.  Digo ainda que não tem nenhum fotoxópi, as cores são essas mesmo.  Enjoy it!

cuba-223.jpg

Praia de Santa Maria del Mar, uma das praias urbanas de Havana

cuba-258.jpg

Guarda Sol-itário

dsc00528.jpg

Paleta de Azuis

cuba-019.jpg

Cubano fuma “até debaixo d’agua”

cuba-253.jpg

Palhoças em Varadero

cuba-241.jpg

Tribo dos guarda-sóis selvagens

cuba-256.jpg      cuba-255.jpg

Euzinha em transe no nirvana de recifes à beira-mar

cuba-333.jpg

Vista aérea do Cayo Largo

cuba-272.jpg

Aqui também o avião pousa na praia ao lado

dsc00603.jpg cuba-280.jpg  cuba-308.jpg

Passeio no mangue em Cayo Largo

cuba-319.jpg

Se esses coqueiros não estão na Bahia, eu me chamo Camila Cienfuegos

  cuba-320.jpg    cuba-318.jpg

Os verdadeiros “donos do pedaço”

cuba-325.jpg   cuba-321.jpg

Praias no Cayo Largo (La Sirena)

cuba-407.jpg

Homenagem ao Meu Guru, Ricardo Freire (vide blogs preferidos ao lado)

cuba-296a.jpg    cuba-293.jpg

A PRAIA!!!!!! (Aqui quero ficar para toda a eternidade, quando minhas cinzas forem espalhadas nesse marzão transparente).  Preciso fazer algum comentário???

Aqui encerro minha narrativa desse passeio delicioso, que ainda está reverberando em mim.  Aguardem para breve um post com a cobertura do Festival de Jazz & Blues de Rio das Ostras, com direito a pedacinhos dos shows.

Anúncios

Compañero Diário II

junho 12, 2007

Continuando nossas andanças por Havana o que mais chama a atenção são os outdoors, que lá não anunciam carros novos, lançamentos imobiliários ou promoção de supermercado; são os slogans revolucionários alguns engraçados, outros patéticos…será que marquetológicamente isso funciona?

             

E por falar nele…El Che é onipresente, é impressionante, em toda birosca, casa de família, lojinha, táxi, ônibus tem um retratinho dele (que aliás era muito bonitinho mesmo) .  Ele é o santo de devoção oficial da ilha.  E o curioso é que ele era argentino…

  

Depois de tantos anos de repressão, os movimentos artísticos vão começando a se mostrar, e já se pode encontrar uma porção de ateliês com exposições de artistas plásticos, além de pinturas murais.  Aliás, falando em arte…um fato curioso: o Museu da Revolução, que é a cerejinha do bolo socialista é mal cuidado, empoeirado e tímido, no entanto, o Museu de Belas Artes é lindíssimo, climatizado, setorizado por época e país, muito organizado…como será que os “compañeros” conseguiram resguardar aquelas obras de arte no meio da revolução????

            

Depois de uns dias, nós fugimos da bolha turística da Habana Vieja e fomos nos hospedar na casa da Clara, que recebe turistas do mundo todo.  Ela e a família são muito simpáticos e ajudaram a desfazer o mito da igualdade social: eles vivem num confortável apartamento de três quartos (suites) no Vedado, com vista para o Malecón, num prédio com elevador e água quente e oferecem um ótimo breakfast. 

           

Como nativa e acostumada a turistas, Clara deu ótimas dicas de comida e praia.

             

(acima: camarõezinhos no El Pátio, e franguinho no Paladar da Mulata).  Não sei como consegui me recuperar do vício nos mojitos.  Todo dia, toda hora, tudo era desculpa pra tomar um mojitinho aqui e ali.  Como aquilo é refrescante!  Aliás, por mencionar os vícios, acabei “incorporando o Caboclo Ernest” na Bodeguita del Medio

Tivemos também a rara oportunidade de participar de uma festa da santería em homenagem a Oxum (Ochúm) na casa de uma família…festança!  Muuuuuita comida, música e dança, além de uns passes da dona da casa.

                                                 

Compañero Diário

junho 4, 2007

dsc00454.jpg

“De  Alto Cedro voy para Macaney,

llego a Cueto voy para Mayarí…”

(El Chan Chan – Compay Segundo)

Nunca consegui entender o que dizia a música, até pedir a uma cubanita pra escrever as palavras e descobrir que eram pequenos vilarejos do oriente cubano.

Eu não tinha me dado conta de que queria TANTO ir pra Cuba até chegar lá.  Eu explico: eu costumo guardar reportagens turísticas que me interessam numa pastinha de papelão “Planos para o Futuro”.  Poizé, de repente tudo deu certo,  a época, as reservas, a disponibilidade, a meteorologia, o tutu…e lá fui eu prá Jóia do Caribe, com meus alfarrábios a tiracolo.  Só quando eu cheguei lá é que eu vi como eram antigas as matérias (Tinha coisas de 1997!).  Claro que algumas dicas não serviam pra mais nada, mas serviram pra orientar meus planos de passeios.  No instante em que me vi em solo cubano me dei conta da grandeza do sonho que eu estava realizando.  Tudo me parecia estranhamente diferente e assombrosamente igual ao Brasil.  Depois do Jet Lag e do cansaço da noite sem dormir cheguei a pensar que era um sonho.

O que mais me impressionou foi a semelhança das cores de lá com as cores daqui.  Cores do céu, das pessoas, das roupas, das ruas, das árvores…

cuba-083.jpg  dsc00444.jpg  cuba-080.jpg

Eu tava doida pra ver a Habana Vieja, os predinhos antigos, os casarões, os carrões e o povo nas ruas.  Não me decepcionei, mas me surpreendi com a semelhança com o capitalismo. 

cuba-109.jpg   dsc00457.jpg   cuba-097.jpg

cuba-089.jpg     cuba-100.jpg     cuba-096.jpg     cuba-084.jpg

Habana Vieja está sendo febrilmente reformada para atender à demanda da novíssima industria nacional, o turismo.  Isso quer dizer, vai ficar parecendo um pouquinho com a Espanha, o que dá a cor local são os cubanos, o que torna a mistura mais interessante ainda.   

cuba-114.jpg

Eu fiquei com uma dúvida: por que Habana Vieja ficou tão abandonada?  Qual foi o momento em que houve o êxodo de lá?  Eu imagino que o momento da ocupação dos casarões foi durante a revolução, mas pela arquitetura dos imóveis, que se manteve inalterada na região, me parece que o centro histórico perdeu a importância antes do século XX ou ainda, bem no comecinho dele.  Traçando um paralelo inevitável entre Bahia e Cuba, posso lembrar de Belmonte, no sul da Bahia, que foi uma cidade poderosa na época do cacau, mas depois da tal “vassoura de bruxa”, virou uma cidade fantasma.

Voltando um pouco mais na história, descobrimos que Havana é chamada “a chave das Américas” (tem até uma chavinha no brasão da cidade), devido à sua posição estratégica no Caribe.  Por causa dessa posição estratégica, foi construída lá pelos espanhóis a maior fortaleza do continente americano, com paredes enoooormes.

dsc00461.jpg      cuba-143.jpg      dsc00478.jpg

(essa primeira foto é do Palacio de Los Reyes, com a tal Fortaleza del Morro ao fundo)

Aliás, um dos fatos mais prosaicos em Havana é o “cañonazo”, um ritual militar de tiro de canhão que remonta ao séc. XVII e se mantém até hoje, tiro pelo qual todo mundo acerta seus relógios às 21:00 hs pontualmente, chova, faça sol ou furacão.  Na noite que eu fui (02/05/07) tinha uma lua cheia perfeita, mas (mea culpa, mea máxima culpa) minha câmera estava sem bateria e eu não pude trazer imagens para compartilhar.  Posso garantir que o programa é um dos melhores, pois os sentinelas se vestem a caráter e encenam a coisa toda pra turistada ao ar livre.

Outra coisa encantadora em Havana, além da arquitetura é a música: TODO LUGAR TEM MÚSICA!!!! em todos os bares, restaurantes, hotéis, quiosques de praia e biroscas tem música!  E boa música! Ao vivo! E não é como aqui em Copacabana com um pandeirinho, um tantan e um tamborim…NÃO! É com contrabaixo, guitarras e bongô (com ou sem “tumbadora” ou tantan-gigante).  O que Wim Wenders fez pela auto estima do povo cubano através da música, nem Che Guevara teria conseguido, se ele também cantasse.  O filme Buena Vista Social Clube recolocou Cuba nas paradas de sucesso globais, das quais foi retirada na época que os americanos saíram de lá.  Cuba tem um talento musical QUASE igual ao do Brasil.  Além da salsa (que é um ritmo americano), ouve-se em toda parte o “son”, que é a base do tal filme, que também projetou os velhinhos Compay Segundo e Ibrahim Ferrer mundialmente.  É uma música envolvente, sensual e alegre.  Parece um filhote contentinho do bolero.  Impossível não gostar.

tumbadora.jpg   cuba-207.jpg   contrabaixo.jpg

cuba-487.jpg   cuba-219.jpg   cuba-206.jpg

    cuba-102.jpg        dsc00569.jpg